Informações sobre a Paróquia

Arquidiocese de Santa Maria de Belém do Grão Pará
Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Santuário de Fátima
CNPJ: 02.537.502/0001-81

Endereço: Rua Antonio Barreto, 2167 - Fatima
CEP: 6606-020 (Belém/PA - Brasil)
Email: santuariodefatimaf.belem@gmail.com
Telefones: (91) 3228-0864 / (91) 3226-0503

Horário de funcionamento para atendimento ao público
De Segunda a Sexta: 8h00 às 12h00 / 14h00 às 18h00
Sábado: 8h00 às 12h00

Santa Missa
Domingo: 6h45, 8h30, 17h30 e 19h30
Segunda a Sexta: 18h30
Sábado: 17h30

Pároco: Mons. Raimundo Possidônio Carrera da Mata
Vigário: Pe. Márcio José Sousa Motta

Páginas

█║▌│█│║▌║││█║▌║▌│║▌│█

© BlOG OFICIAL ®

CONVITE - JANTAR

Jantar dedicado às mães
# Festividade de Fátima 2013

Data: 10 de maio - Sexta feira

Hora: A partir das 20h00

Local: Fátima Recepções & Eventos

Valor da cartela: R$ 30,00

Cardápio: Filé, Camarão ou Peru

Atração musical: Ivana e kassio


Visitantes pelo mundo

AVISOS PAROQUIAIS

TERÇO DE RUA (CONTINUAÇÃO)
Dias: 27 e 28 de abril de 2013 - Sábado/Domingo
Hora: 19h30
Locais: Setores de Missão V e VI


SANTA MISSA E RETORNO DAS IMAGENS DE N. SRA. DE FÁTIMA - PEREGRINAÇÕES NAS FAMÍLIAS
Dia: 28 de abril de 2013 - Domingo
Hora: 17h30
Local: Santuário de Fátima


CELEBRAÇÕES PENITENCIAIS
Dias: 29 e 30 de abril de 2013 - Segunda/Terça
Hora: De 18h30 às 21h30
Local: Santuário de Fátima


FESTIVIDADE DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA 2013
DE 01 A 13 DE MAIO
"No ano da Fé: Quereis oferecer-vos a Deus?"

Cerimônia de Abertura dos festejos - 01 de maio
-17h00: Hasteamento das bandeiras do Brasil, Pará e Portugal na Praça do Santuário

-17h30: Procissão de Abertura

-19h00 (Aprox.): Santa Missa Solene presidida por Dom Vicente Zico, Arcebispo Emérito de Belém/PA.






Fonte: Calendário Paroquial 2013

Liturgia Diária - Leituras Bíblicas

quarta-feira, 8 de junho de 2011

O Padre responde - Mons. Raimundo Possidônio: Eucaristia mastigada

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 3 a 9 de junho de 2011



Prezados irmãos e irmãs, a Voz de Nazaré, no seu inestimável serviço prestado à Igreja, reinicia esta coluna visando esclarecer dúvidas e questionamentos sobre diversos assuntos.

Sabemos que nem tudo pode ser explicado e aprofundado no espaço desta coluna; estas respostas servirão apenas como uma breve indicação ou introdução para estudos mais aprofundados. Por isso, para além da resposta, vai uma proposta: buscar outros meios para aprofundamento que serão indicados pelo articulista.

"Desde criança, eu aprendi que não devemos mastigar a hóstia consagrada porque estaríamos 'machucando' o corpo de Jesus. Cresci com essa impressão e hoje, aos 42 anos, ainda espero a hóstia se dissolver na boca. Mas eu já vi gente que mastiga a hóstia e a engole rápido. Como devemos proceder?" (Maria Sebastiana Antunes - Águas Lindas, Ananindeua).

Para responder à pergunta precisamos de uma breve reflexão teológica sobre a Eucaristia. A Eucaristia perpetua o sacrifício da cruz, renovando-o pela ação sacerdotal de Cristo na sua Igreja, realizando assim, de maneira contínua, a obra da redenção.

"A missa não é só um banquete, nem é celebração de um memorial do sacrifício que foi oferecido em tempos passados, mas a missa mesma é um verdadeiro sacrifício, que tem valor expiatório e deprecatório. Isto significa: é oferecido em remissão dos nossos pecados e para implorar graças a Deus" (Concílio de Trento, sessão XXII, século XVI).

"Na última Ceia, Nosso Senhor instituiu o sacrifício eucarístico de seu Corpo e seu Sangue; por este sacrifício ele perpetua (põe presente pelos séculos afora) o sacrifício da Cruz".(cf. Concílio Vaticano II, Constituição sobre a Sagrada Liturgia, Sacrossanctum Concilium, n. 47). Os textos indicam que a presença de Cristo no pão e no vinho é real e substancial. Isto é, o pão e o vinho deixam de ser pão e vinho e passam a ser Corpo e Sangue de Cristo. O pão e o vinho mudam de substância. Daí vem a palavra inventada por São Tomás de Aquino, no século XIII: Transubstanciação (Trans = passagem de uma coisa a outra; mudança. Substância = é aquilo que faz com que a coisa seja o que ela é e não outra, é aquilo que está bem firme por trás das aparências.

A Eucaristia é, para nós, o pão da vida, mas não um pão comum. Segundo Santo Agostinho, Cristo nos diz, na realidade do pão eucarístico: "Não sou eu que me transformo em ti, como os outros alimentos. Ao contrário: tu é que te transformas em mim". De fato, pela Eucaristia, o comungante se torna cristificado.

Creio ser necessário por isso esclarecer sobre a importância da escolha, por Cristo, das espécies do pão e do vinho, para a sua representação visível. Aqui podemos falar da dimensão cósmica e universal desses elementos, pois eles representam os frutos da terra e do trabalho humano, como diz a liturgia. Também devemos enfatizar aqui como que o esvaziamento de tais elementos da natureza, pois eles deixam de ser pão e vinho, mantendo apenas os acidentes, para serem de fato o Corpo e o Sangue de Cristo, realidade não compreensível pela razão humana, mas tão-somente pela fé. Na transubstanciação do pão e do vinho, isto é, na sua mudança de natureza e de substância (Dimensão Divina) podemos, contemplar, o "esvaziamento" desta condição divina, assumindo a condição de servo (kenosis) (Fl 2,6-8). Aqui vemos uma elevação das coisas criadas, ao mesmo tempo que contemplamos a humildade divina, por amor dos homens (Is 53,1-12; Ef 4,9), um mistério impenetrável para o entendimento racional.

Vejam que maravilha (não totalmente participada pela assembleia porque o celebrante diz em voz baixa): "Pelo mistério desta água e deste vinho, possamos participar da divindade de vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade". Poderíamos ainda dizer que, assim como os dons do trigo e da uva desaparecem, mantendo apenas o sabor, para que Cristo opere, através deles, a obra salvífica do Pai, assim também o cristão deveria ser um forte sinal da redenção e dizer com São Paulo: "Eu vivo, mas já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim" (cf. Gl 2,20a.).

Pão macerado, uva pisada... Corpo entregue ao sacrifício... o Cordeiro vertendo seu sangue para a salvação de todos: são belos sinais do sacrifício de Jesus, não é verdade? Sinais sacramentais, bem entendido.

A realidade sacramental da Eucaristia encontra-se em Jo 6,35 ("Eu sou o pão da vida"), a primeira autoproclamação de Cristo, que, depois, vai ser desenvolvida por São Paulo, pastoral e teologicamente, em suas cartas (1Cor 10,16-17; 11,23-26pp). Também a última autoproclamação ("Eu sou a videira..."), de Jo 15,1, está em ligação profunda com a primeira. Além de: "Tomai, comei, isto é meu Corpo...". "Tomai, bebei... este é o cálice do meu sangue..." (Evangelhos sinóticos)

Portanto, discutir se mastigar ou dissolver a hóstia consagrada, não é a coisa mais importante, às vezes, empobrece o mais profundo sentido da Eucaristia. Além do mais, apenas considerar essa questão é desconhecer que a hóstia (espécie) se desfaz no organismo, que ela pode mofar no sacrário ou se sujar quando cai no chão... Não obstante, a essência do sacramento permanece. Ou ainda: o pão e o vinho (assim como a água que depois do Batismo vai para o esgoto, ou os Santos Óleos secam ou são lavados) cumprem a sua grande e bela missão como o próprio Cristo: deixam-se consumir, desaparecer para que a grandeza do mistério se manifeste. O ideal, evidentemente, é colocar a hóstia na boca e consumi-la imediatamente, com respeito e veneração e viver com autenticidade e vida cristã porque somos "morada do mistério divino".

Se ela toca nos dentes ou é mastigada, nada disso interfere na essencialidade do que ela representa ou do que ele é para a alma, para a vida.

Já ia esquecendo: o mais grave de tudo isso, o que mais "danifica" o dom eucarístico é o pecado, a falta da graça, da santidade.

(Cf. os delitos graves contra a Eucaristia - Código de Direito Canônico - CDC - Can. 1367 e explicações - Para aprofundar sobre a Eucaristia: Ler Catecismo da Igreja Católica - CIC - dos números 1322 a 1418).


Envie sua pergunta ao monsenhor Raimundo Possidônio para voz@fundacaonazare.com.br ou para a Fundação Nazaré de Comunicação, na av. Gov. José Malcher, 915, ed. Paulo VI, bairro Nazaré, CEP 66055-260.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nossa Área de Jurisdição Paroquial

Nossa Área de Jurisdição Paroquial

Nosso Sistema

Nosso Sistema

Seja Dizimista de nossa Paróquia!

Seja Dizimista de nossa Paróquia!