Informações sobre a Paróquia

Arquidiocese de Santa Maria de Belém do Grão Pará
Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Santuário de Fátima
CNPJ: 02.537.502/0001-81

Endereço: Rua Antonio Barreto, 2167 - Fatima
CEP: 6606-020 (Belém/PA - Brasil)
Email: santuariodefatimaf.belem@gmail.com
Telefones: (91) 3228-0864 / (91) 3226-0503

Horário de funcionamento para atendimento ao público
De Segunda a Sexta: 8h00 às 12h00 / 14h00 às 18h00
Sábado: 8h00 às 12h00

Santa Missa
Domingo: 6h45, 8h30, 17h30 e 19h30
Segunda a Sexta: 18h30
Sábado: 17h30

Pároco: Mons. Raimundo Possidônio Carrera da Mata
Vigário: Pe. Márcio José Sousa Motta

Páginas

█║▌│█│║▌║││█║▌║▌│║▌│█

© BlOG OFICIAL ®

CONVITE - JANTAR

Jantar dedicado às mães
# Festividade de Fátima 2013

Data: 10 de maio - Sexta feira

Hora: A partir das 20h00

Local: Fátima Recepções & Eventos

Valor da cartela: R$ 30,00

Cardápio: Filé, Camarão ou Peru

Atração musical: Ivana e kassio


Visitantes pelo mundo

AVISOS PAROQUIAIS

TERÇO DE RUA (CONTINUAÇÃO)
Dias: 27 e 28 de abril de 2013 - Sábado/Domingo
Hora: 19h30
Locais: Setores de Missão V e VI


SANTA MISSA E RETORNO DAS IMAGENS DE N. SRA. DE FÁTIMA - PEREGRINAÇÕES NAS FAMÍLIAS
Dia: 28 de abril de 2013 - Domingo
Hora: 17h30
Local: Santuário de Fátima


CELEBRAÇÕES PENITENCIAIS
Dias: 29 e 30 de abril de 2013 - Segunda/Terça
Hora: De 18h30 às 21h30
Local: Santuário de Fátima


FESTIVIDADE DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA 2013
DE 01 A 13 DE MAIO
"No ano da Fé: Quereis oferecer-vos a Deus?"

Cerimônia de Abertura dos festejos - 01 de maio
-17h00: Hasteamento das bandeiras do Brasil, Pará e Portugal na Praça do Santuário

-17h30: Procissão de Abertura

-19h00 (Aprox.): Santa Missa Solene presidida por Dom Vicente Zico, Arcebispo Emérito de Belém/PA.






Fonte: Calendário Paroquial 2013

Liturgia Diária - Leituras Bíblicas

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Inscrições para Catequese 2011/2012 foram prorrogadas



Público: Crianças e Adolescentes (de 6 a 13 anos de idade completos até Dez/2011) batizados ou não.
Período de Inscrições: 08 a 12 de Agosto de 2011.
Local: Centro de Evangelização de Fátima, 2º andar.
Horário: 19:30 às 21:00.
Início dos Encontros: 03 de Setembro de 2011.
Celebração da Entrega das Sagradas Escrituras: 04 de Setembro de 2011 às 08:30.

Documentos (cópias) Necessários dos Catequizandos:
- Uma (1) Foto 3 x 4 (para todos);
- Certidão de Nascimento ou RG, Certidão de Batismo e Comprovante de Residência (conta de energia elétrica).

Turmas:
- Catequese Infantil (6 a 8 anos completos até 2011):
- Livro: Iniciação à Vida Cristã dos Pequeninos (catequizando e família). Ed. Paulinas;

- Iniciação à Eucaristia (9 a 13 anos completos até 2011):
- Livro: Iniciação à Eucaristia (livro do catequizando). Ed. Paulinas.

Valor da Inscrição: R$ 20,00 (Material Didático e Bíblia Sagrada)

Inscrições para Crisma e Catequese de Adultos foram adiadas para Janeiro de 2012.

O Padre responde - Mons. Raimundo Possidônio: Como crer em Nossa Senhora

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 22 a 28 de julho de 2011.



Um dia desses eu ouvi de um padre que temos que ter fé em Nossa Senhora. Eu fiquei em dúvida, porque sempre aprendi que a fé é somente em Deus. Para com os santos devemos ter veneração. O que é certo?
(Cleonisa Cardoso, Jaderlândia, Ananindeua)

Cleonisa, caríssima, muito boa pergunta, mas não tão fácil de responder porque muitas pessoas usam essa expressão, às vezes até com certa convicção. Mas, creio ser mais uma força de expressão, como dizemos, do que propriamente um ato de fé.

Para sabermos em que ou em quem devemos crer basta o Credo da Igreja Católica - na missa dizemos: Profissão ou Confissão de fé: aqueles são os artigos da fé. Nisso nós cremos e ponto. Não se pode tirar nem acrescentar. As profissões de fé que temos são os símbolos apostólicos e o nicenoconstantinopolitano (menos conhecido, mas o mais completo). Veja o que diz o CIC (176): "A fé é uma adesão pessoal do homem inteiro a Deus que se revela. Ela inclui uma adesão da inteligência e da vontade à Revelação que Deus fez de si mesmo por suas ações e palavras... (178). Não devemos crer em ninguém a não ser Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Diz o CIC (148-149) sobre Maria e a fé: "A Virgem Maria realiza da maneira mais perfeita a obediência da fé. Na fé, Maria acolheu o anúncio e a promessa trazida pelo anjo Gabriel acreditando "que nada é impossível a Deus" (Lc 1,37)... Ela é bem-aventurada porque acreditou - teve fé em Deus, nas suas Palavras... sua fé não vacilou porque não deixou de crer no cumprimento da Palavra de Deus. Por isso, a Igreja venera em Maria a realização mais pura da fé". O que isso significa? Que ninguém mais do que Maria viveu plenamente a fé em Deus. Por isso ela não pode ser objeto de fé, mas sim modelo de fé para todos nós que também cremos naquilo que ela acreditou. Quem sabe ao dizer que tem fé em Maria, as pessoas não queiram dizer que acreditam na sua intercessão junto do Pai por todos nós!? Mas o ideal seria não dizer mesmo: nem eu, nem você, nem o padre, nem aparecer em temas de festividades...


Envie sua pergunta ao monsenhor Raimundo Possidônio para voz@fundacaonazare.com.br ou para a Fundação Nazaré de Comunicação, na av. Gov. José Malcher, 915, ed. Paulo VI, bairro Nazaré, CEP 66055-260.

Conversa com o meu povo: Dom Alberto Taveira - Testemunhas da Caridade

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 22 a 28 de julho de 2011


Corria o século III, durante uma das grandes perseguições que marcaram a história da Igreja, sob o Imperador Valeriano, no ano 258.

São Lourenço, como primeiro dos Diáconos, tinha grande amizade com o Papa São Sisto II. Vendo o Papa e outros seus irmãos diáconos levados ao martírio, exclamou diante do povo: "Ó pai, aonde vais sem o teu filho? Tu que jamais ofereceste o sacrifício sem a assistência do teu Diácono, vais agora sem ele para o martírio?". E o Papa respondeu: "Mais uns dias e te aguarda uma coroa mais bonita!" Lourenço era responsável pela administração dos bens e o prefeito local exigiu-lhe os tesouros da Igreja. O santo Diácono pediu um prazo, o suficiente para reunir os órfãos, os cegos, os coxos, as viúvas, os idosos, todos os que a Igreja socorria. Com bom humor apresentou-lhes à autoridade civil: "Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem, e podem ser encontrados em toda parte". Sentindo-se enganado, o prefeito sujeitou o santo a diversos tormentos, até colocá-lo sobre um braseiro ardente. São Leão Magno assim comentava seu martírio: "As chamas não puderam vencer a caridade de Cristo; e o fogo que queimava por fora foi mais fraco do que aquele que lhe ardia por dentro".

À Igreja de Cristo foi concedida a graça, segundo as circunstâncias de cada época histórica, de ser no mundo guardiã e testemunha da caridade. Já nos Atos dos Apóstolos, uma das características das primeiras comunidades era a partilha e a comunhão dos bens. O Apóstolo São Paulo organizou a primeira coleta em favor da Comunidade de Jerusalém, envolvendo nela as demais Comunidades. E foram muitos os santos e santas que brilharam como mestres e exemplos do serviço aos mais pobres e sofredores. Há alguns dias celebrou-se a memória de São Camilo de Lellis, considerado padroeiro dos doentes e dos profissionais da saúde.

Muitos outros expressaram em gestos concretos a convicção da presença de Cristo nos mais sofredores, indo ao encontro de todos. Junto com tantas outras obras de caridade da Arquidiocese de Belém, resplandece o conjunto de atenção à saúde hoje confiado à Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência, em Marituba, visitado pelo Beato João Paulo II, no ano de 1980. Ali, o tesouro da Igreja, representado pelos hansenianos, tornou-se referência para a atenção à saúde, onde, ao lado deles muitos outros enfermos são tratados com a dignidade que lhes é própria. Vale a pena comprometer-se com esta e outras ações de promoção humana e de resgate de pessoas e famílias. Entre nós, a Cáritas Arquidiocesana de Belém, com seus diversos núcleos, quer testemunhar as ações caritativas e envolver a todos em sua prática.

A Arquidiocese de Belém e a Diocese de Castanhal acolheram nestes dias a realização da reunião anual do Conselho Administrativo da Fundação Populorum Progressio, do qual faço parte desde 1998, testemunhando em diversos países e situações a presença caritativa da Igreja Católica. Querida por Paulo VI, constituída pelo Beato João Paulo II e conduzida hoje pelo atual sucessor de Pedro, Bento XVI, a Fundação é uma das expressões do Pontifício Conselho "Cor Unum", presidido pelo Cardeal Robert Sarah, originário da Guiné Conakry, que nos visitou junto com outros membros do mesmo Conselho. Foram estudados duzentos e dezesseis projetos de assistência social, promoção humana e desenvolvimento, aos quais a Igreja quer responder de forma concreta. Uma das fontes para a aplicação em tais projetos é a coleta realizada cada ano, Óbolo de São Pedro, na festa a ele dedicada.

Existe também a "Fundação João Paulo II para o Sahel", criada por João Paulo II após sua primeira visita à África, quando pode constatar de perto a "tragédia" da qual são vítimas as pessoas afetadas pela seca e pela desertificação. O Sahel é a região da África situada entre o deserto do Saara e as terras mais férteis ao sul daquele continente.

"Cor Unum" é o organismo do Vaticano encarregado da caridade. Além dos projetos que chegam às Fundações Populorum Progressio e Sahel, atende anualmente cerca de sessenta situações de urgência e emergência, como terremotos, enchentes e outras que gritam pela resposta da caridade, na qual cabe aos cristãos dar o primeiro passo.

Buscando a pérola preciosa do Reino e encontrando nele o tesouro precioso (Mt 13, 44-52), os cristãos hão de ser no mundo testemunhas ardentes do amor a Deus e ao próximo.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Festividade de São Cristóvão 2011


SÃO CRISTÓVÃO - PADROEIRO DOS MOTORISTAS


SANTA MISSA: Dia 25 de julho de 2011, às 8h00 no Santuário de Fátima

PROCISSÃO MOTORIZADA: Após a Missa.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Conversa com o meu povo: Dom Alberto Taveira - Paciência de Deus

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 15 a 21 de julho de 2011


A pressa é inimiga da perfeição! A frase é aplicada com frequência, especialmente quando se trata de defender nossas demoras pessoais, quem sabe marcadas pela falta de prontidão e presteza para servir e fazer o bem. Muito mais difícil é entendê-la quando se trata da ação de Deus no mundo. Consideramos muito lentas suas intervenções. Pode até existir gente que gostaria de ver um fogo descendo do céu para assustar as atuais gerações, tão carregadas de maldades, revoltas, desvios de conduta, pecados. Só que ganhar o jogo da história no grito não é próprio de Deus. Ele criou o mundo, mas nos deu o precioso e arriscado dom da liberdade, com o qual haveremos de administrar nossa maravilhosa aventura neste mundo ainda que muitas vezes ela se parece com um brinquedo novo que nós, crianças crescidas, não sabemos usar.

A Sabedoria de Jesus, e Ele mesmo é "sabedoria de Deus" (1 Cor 1, 24), nos conduz a refletir sobre os rumos da história humana, com seus eventuais tropeços. Deus criou tudo para o bem, mas sabe que nem tudo o que cresce, com a pregação do Reino, é trigo limpo (Mt 13, 24-43). Haverá, sim, o dia da justiça, mas, até lá, é dada sempre uma oportunidade a tudo o que cresce ao lado do bem. O mal existe e é real, não nos enganemos e nem queiramos pintar com belas cores o que existe de errado, forjando e forçando as consciências. Ele existe em torno de cada um de nós e dentro de nós. A linha divisória entre o bem e o mal passa dentro de nossos corações. Sabendo da existência do mal, o importante é escapar de seu poder, lutando para manter a verdade e o bem dentro de cada pessoa humana e ao seu redor.

"O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifadores são os anjos. Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: o Filho do Homem enviará os seus anjos e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; e depois os lançarão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes. Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai".

A bondade, como o trigo da parábola contada por Jesus, é destinada a permanecer por toda a eternidade. No tempo que corre, o destino do bem é conviver com o mal sem converter-se no mal. A paciência de Deus é escola para todos os homens e mulheres que professam a fé. Alguns passos podem ser dados, com a luz do Evangelho.

A primeira atitude é olhar para dentro e reconhecer que muitas vezes praticamos o mal e compactuamos com o mal. Nossos pecados não são somente de fraqueza, mas muitas vezes somos até sórdidos ao tramar a maldade. Ao reconhecimento se siga a confiança na misericórdia de Deus. "Perdão é feito pra gente pedir", já cantava um samba de Ataulfo Alves e Mário Lago em 1944. Pecado reconhecido e confessado, pecado absolvido, pecado superado. Vida nova, coragem, vigilância na oração.

Olhar com misericórdia as pessoas que erram, levantar os caídos, oferecer o perdão e reconhecer a chama que ainda fumega naqueles que são frágeis. É o segundo capítulo da aventura do perdão. E se as aproximarmos de Deus será a perfeita alegria, para que experimentem um perdão infinito, muito mais eficaz do que as eventuais ajudas humanas. Deus leva a sério o pecador, pois ele o quer reconciliado e reintegrado em sua amizade.

Se o mundo pode ser melhor em torno a nós, outro passo será a contribuição para restaurar o tecido social. Aqui se joga com o terrível mal da omissão e da indiferença, cuja superação está nas mãos da atual geração. O ambiente de trabalho é desafio para o cristão, que não pode fugir de sua responsabilidade. Os locais mais desafiadores, como as Universidades, os Parlamentos, os Organismos de Classe, as Repartições públicas, precisam de homens e mulheres que se disponham a dar o primeiro passo, mesmo considerado pequeno. Trata-se do mistério do fermento, da semente, do sal e da luz (Cf. Mt 13, 31-33). Imagens fortes do Evangelho, cuja mensagem nos converte em agentes corajosos, prontos a dar o primeiro passo, para que o mundo seja diferente.

Mas certamente deveremos ainda e até o fim dos tempos conviver com o joio presente no mundo. Para aprender da paciência de Deus, vale acolher as palavras do Livro da Sabedoria: "Dominando tua própria força, julgas com clemência e nos governas com grande consideração: pois quando quiseres, está ao teu alcance fazer uso do teu poder. Assim procedendo, ensinaste ao teu povo que o justo deve ser humano; e a teus filhos deste a confortadora esperança de que concedes o perdão aos pecadores" (Sb12, 18-19) .

Homilia da festa de Santa Maria Goretti (06/07/2011)

20º aniversário de ordenação episcopal de Dom Alberto Taveira Corrêa e ordenação presbiteral de dez diáconos diocesanos


Dom Alberto Taveira Corrêa
ARCEBISPO METROPOLITANO DE BELÉM DO PARÁ



Irmãos e irmãs reunidos em nossa Sé Catedral, expressão da unidade do Povo de Deus na Arquidiocese de Belém. O Senhor nos concede a graça de estarmos juntos, Bispos, Presbíteros, Diáconos, Religiosos e Religiosas, pessoas consagradas a Deus, seminaristas e a magnífica representação de nossas Paróquias. Aqui estamos porque Deus nos ama e nos acolhe, filhos ao redor da mesa da Palavra e da Eucaristia.

A diversidade de vocações, estados de vida e ministérios no jardim da Igreja está aqui presente. Acolhamos com docilidade o convite do Apóstolo São Paulo, proclamado há pouco: sejamos solícitos em guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Há um só corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, acima de todos, no meio de todos e em todos. A cada um de nós foi dada a graça conforme a medida do dom de Cristo. Ele capacitou os santos para a obra do ministério, para a edificação do Corpo de Cristo, até chegarmos, todos juntos, à unidade na fé e no conhecimento do Filho de Deus, ao estado de adultos, à estatura do Cristo em sua plenitude (Cf. Ef 4, 1-13). Nesta Eucaristia, peço ao Senhor a graça da renovação dos compromissos de consagração e entrega, especialmente dos ministros ordenados, bispos, presbíteros e diáconos aqui presentes. Que nos convertamos cada dia mais à graça da unidade, para que Jesus esteja em nosso meio e todos cheguem à fé.

São Paulo, na mesma Carta aos Efésios, admirado com a graça que lhe foi concedida, exclamava exultante: "a mim, o menor de todos, foi dada esta graça: anunciar a todos o evangelho das riquezas insondáveis de Cristo". A gratuidade de seu amor tocou, com a vocação ao Episcopado, este servo que lhes dirige a palavra. Há vinte anos tenho a ousadia de penetrar, como Bispo, nos átrios do Senhor. Diante dele, com muita serenidade, renovo o meu sim e meus propósitos de fidelidade, pedindo a todos que continuem sustentando meu ministério com suas orações, para que eu seja fiel à missão apostólica confiada à minha fraqueza e cada dia realize melhor entre todos a imagem do Cristo Sacerdote, Bom Pastor, Mestre e Servo de todos.

Deus escolheu, em seu insondável desígnio, dez irmãos nossos que hoje são apresentados para serem ordenados padres. Cada um deles experimentou a graça do chamado. Todos passaram pelo discernimento dos apelos de Deus, responderam generosamente e aqui estão, prontos a dar tudo de si mesmos. Padre, quem é você? Tudo e nada! Na medida em que cada um se esvazia de si, deixará que Cristo Cabeça atue através de seu ministério. Você será tudo em Cristo e sem Ele nada pode fazer! O padre é alguma coisa na relação com Cristo. Vocês dez escolheram ser sinais do Senhor, oferecendo-lhe coração, voz, gestos, tudo, tudo, para que o mundo conheça Jesus Cristo, a boa nova seja anunciada, o Reino de Deus se espalhe, a Igreja cresça e realize sua missão. Tomem conhecimento de que a terra da vida em que vocês pisam é sagrada. Tirem as sandálias do orgulho, da vaidade, das pretensões humanas, reconheçam que pela vida afora não se pertencem mais. Não há dia sem ser padre, não existam sentimentos que não sejam do homem que foi feito padre. Quebrem as pontes, desfaçam todos os laços com quaisquer outras perspectivas de vida. Não sejam padres pela metade, aceitem ser radicalmente padres, radicalmente santos. Sejam padres segundo o Coração de Jesus.

* O SERVIÇO DO ALTAR: caminhando do Altar para as outras dimensões do ministério que hoje lhes é confiado pelo Sacramento da Ordem, proponho-lhes, diante do povo de Deus que testemunha o acontecimento da graça, indicações para sua vida sacerdotal. Desde a primeira Eucaristia, vocês se alimentaram do Corpo e do Sangue do Senhor, Pão da Vida dado para a vida do mundo. Deixem-se consumir com Cristo e por Cristo. O mundo tem direito a esperar que vocês desapareçam, como experimentou um dia Santa Teresinha, a fim de que sobre somente Jesus. Sejam Eucaristia para o mundo. Vivam de tal modo a missa diária - nenhum dia sem missa! - que vocês passem pelas ruas como procissões vivas. Quem gastar o tempo, a palavra e os esforços de vocês receba apenas Cristo. Vivam de tal modo e se deixem reevangelizar continuamente de modo que as pessoas encontrem Jesus em vocês. Um médico agnóstico, depois de visitar a pequena cidade de Ars, na França, perguntado sobre o que ali encontrou, respondeu prontamente: "Eu vi Deus num homem!" Diga-se o mesmo sobre vocês, padres que serão hoje ordenados.

* O MINISTÉRIO DA PALAVRA: muitas pessoas se escandalizaram com as palavras de Jesus no discurso sobre o Pão da Vida. Diante da debandada de tantos, Pedro, provocado pela pergunta de Jesus, respondeu com firmeza: "A quem iremos? Só tu tens palavras de vida eterna!" Não tenham medo de oferecer o Evangelho todo. Não pretendam adocicar a mensagem cristã. Dêem Deus aos outros, pois a obra de conversão das pessoas só pode ser feita por ele. Vocês não podem penetrar nos recônditos da consciência dos outros. Confiem na graça, oferecendo o que possuem de melhor, o Evangelho.

* A CARIDADE Passem pelas ruas e praças, pelas baixadas e ilhas, pelas casas e pelos palácios, por palafitas, rios e mar, recolhendo tudo. Sejam homens consagrados que amem a todos, vejam em todos irmãos e irmãs. Sejam homens de caridade arraigada, fazendo-se tudo para todos, para ganharem para Cristo o maior número possível. Quando retornarem cada dia ao Altar, a patena e o cálice estejam santamente pesados da vida das pessoas, às quais deverão levar reconciliação e ânimo, sendo pastores apaixonados pela vida, olhando sempre para o Bom Pastor, o único que recolhe as dispersas e machucadas. Vocês são sacramento da caridade do Bom Pastor.

* SANTIDADE: Confio o ministério dos novos padres à proteção de Santa Maria Goretti. Eis as palavras do Papa Pio XII, em sua canonização: "Nem todos somos chamados a sofrer o martírio; mas todos somos chamados a praticar as virtudes cristãs. A virtude, porém, requer energia; mesmo sem atingir as alturas da fortaleza desta angélica menina, nem por isso obriga menos a um cuidado contínuo e muito atento, que deve ser sempre mantido por nós até o fim da vida. Por isso, semelhante esforço bem pode ser considerado um martírio lento e constante. A isto nos convidam as palavras de Jesus Cristo: O reino dos céus sofre violência, e são os violentos que o conquistam (Mt 11,12). Esforcemo-nos todos por alcançar este objetivo, confiados na graça do céu. Sirva-nos de estímulo a santa virgem e mártir Maria Goretti. Que ela, da mansão celeste, onde goza da felicidade eterna, interceda por nós junto ao divino Redentor, a fim de que todos, nas condições de vida que são as nossas, sigamos os seus gloriosos passos com generosidade, vontade firme e obras de virtude". Se tais recomendações valem para todas as pessoas, mais ainda para o padre, chamado a ser modelo do rebanho. Sejam padres santos, padres castos, fiéis à vida de oração, retos nos propósitos e no procedimento, homens corajosos na virtude! Ideais muito altos? Mas fomos chamados pelo Apóstolo a buscar as coisas do alto! Para o alto e para frente, sem mediocridade, sem relativismos! Homens consagrados, separados por Deus, santificados por Ele.

Enfim, irmãos e irmãs aqui presentes e todos os que nos acompanham através dos meios de comunicação da Arquidiocese de Belém, com a Fundação Nazaré de Comunicação, acolham como propósito de vida, cada qual em sua vocação, as mesmas alturas da santidade.

Por último, mas não menos importante, um pequeno fato: o Papa Pio XII, no dia 24 de junho de 1950, canonizou a adolescente Maria Goretti, quis encontrar-se com a mãe da pequena Virgem e Mártir, presente na Praça de São Pedro. Diante daquela mulher, idosa numa cadeira de rodas, o Papa se inclinou e beijou-lhe as mãos, para testemunhar que a heróica santidade da sua filha tinha suas raízes na santidade não menos heróica da mãe de família. Pais, Mães e familiares dos novos padres. Recebam meu abraço e o carinho da Igreja porque vocês são responsáveis pelos padres que entregam à Igreja de Belém e consagramos ao serviço do povo de Deus. Que muitas outras famílias tenham a alegria que resplandece hoje no coração de vocês.

Novos padres reforçam o dom sagrado do serviço na Arquidiocese






A ordenação sacerdotal de dez diáconos enriquece a evangelização e a fraternidade em Belém








Uma Igreja rica em padres. No dia 6 de julho, a Arquidiocese de Belém acolheu dez novos sacerdotes dispostos a difundir o Reino de Deus e abençoar a Igreja com o sim ao chamado do Pai. Às 19h, na Catedral Metropolitana de Belém, o Arcebispo Metropolitano, Dom Alberto Taveira Corrêa, o Arcebispo Emérito, Dom Vicente Zico, e o Bispo Auxiliar, Dom Teodoro Tavares, abraçavam os novos membros do clero em uma cerimônia marcada pela alegria missionária e pelo enriquecimento, tanto pastoral quanto espiritual, para a Igreja em Belém. Entre parentes e amigos, os dez ordenados agradeceram pelas bênçãos de Deus e a coragem da dedicação pastoral.














Agora, a Arquidiocese de Belém conta com o trabalho dos padres Glaucon Oliveira Feitosa, Glebson Joan Nunes Rodrigues, Isan Alves Vieira, Márcio José Sousa Motta, Maurício Dias do Mar, Plínio Moraes Pacheco, Roberto Emílio Cavalli Júnior (estes sete são padres diocesanos); Carlos Manuel Machado Pedro (Irmão João), Jailton Barros dos Santos (Irmão Tiago) e Rogério Ribeiro de Oliveira (Irmão Pedro), estes da comunidade Sementes do Verbo.

























Padre Glebson Rodrigues, um dos ordenados, atuará como vigário paroquial em Carananduba, paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Mosqueiro, e não esconde a expectativa pelo novo desafio. "Agora que fui ordenado fica a expectativa, o questionamento de como isso vai acontecer, o que vou fazer agora e como será meu serviço missionário. Permanecem, acima de tudo, a esperança e a confiança em Deus, em servir Nosso Senhor. Estou de coração aberto para abraçar esse serviço de forma digna, fiel e corajosa. Tenho o desejo de servir a Deus por toda a minha vida.", partilha.


PASTOREIO








Os dez novos presbíteros já têm funções definidas na Arquidiocese de Belém, a exemplo do padre Roberto Cavalli Júnior, que ficará atuando pastoralmente na Catedral Metropolitana de Belém, junto ao padre José Gonçalo Vieira.

Em latim, "sacer" significa "sagrado" e "dotis" quer dizer "dom". O sacerdócio, segundo o documento "Missão e Ministérios dos Cristãos Leigos e Leigas" da CNBB, tem a missão de representar Cristo, enquanto chefe, guia espiritual e pastor, orientando o povo de Deus de modo que ele se sinta participante de uma corresponsabilidade missionária. Os chamados à vocação sacerdotal devem ser sinal de unidade da comunidade, descobrir os carismas presentes na comunidade, pastorear e formar comunidades a partir do altar.


Fonte: Jornal Voz de Nazaré - Edição de 15 a 21 de julho de 2011

O Padre responde - Mons. Raimundo Possidônio: Presença na família, gestos de amor

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 15 a 21 de julho de 2011


Padre, eu tenho 14 anos e participo do grupo de Crisma da minha paróquia e vou todo domingo às missas. Gosto de ir à igreja. Mas uma situação tem me deixado muito triste. Meus pais também participam das atividades da igreja, todo dia eles têm reunião de pastoral, de segunda a segunda. Muitas vezes eu fico o dia inteiro sozinha em casa. Eles não acompanham mais meus estudos com frequência, deixamos de passear e até almoçar e jantar juntos, porque eles sempre estão na igreja. Isso tem me deixado deprimida, porque vejo que ocupam o tempo deles mais com a igreja do que comigo. Eu já conversei, pedi mais atenção, eles falaram que as coisas iam mudar mas até agora nada. Eles são pessoas ótimas, bondosas, fazem as coisas para a Igreja de coração e são tudo na minha vida porque eu os amo. Será que eu estou errada? Será que Deus quer mesmo que eles estejam sempre na Igreja e que eu não devo cobrar a presença deles? Já me falaram até que eu estou sendo egoísta. O que senhor tem a dizer? (G.A., por e-mail)

Caríssima G.A., creio caber aqui o que chamamos de equilíbrio diante das coisas e um pouco de discernimento. Por um lado é admirável o que seus pais fazem. A Igreja precisa de pessoas que se dediquem aos trabalhos, à missão. É possível que seus pais sintam que são chamados para ajudar e por isso estão na Igreja todos os dias. Talvez haja necessidade de pessoas disponíveis para a missão naquela paróquia.

Mas a Igreja não quer absolutamente que isso prejudique a relação entre as pessoas, especialmente na família. A família em si já é uma grande missão, e que bela missão! É preciso cuidar da pequena Igreja Doméstica. Os pais precisam de um tempo para estar junto com os familiares, rezar juntos. Como você diz já ter conversado com eles, quem sabe conversando com o seu pároco junto com seus pais para aliviar a carga de trabalho deles a fim de que eles fiquem mais perto de você? Tente mais uma vez; você pode ajudar seus pais apoiando-os e eles com certeza sentirão muita alegria de ficar perto de sua filha querida.



Prezado monsenhor Cid, na hora da Profissão de Fé algumas pessoas levantam a mão direita e outros não. Eu levanto a minha mão direita. Eu estou certo ou errado? (Paulo Cruz, Paróquia da Santa Cruz)

Prezado Paulo Cruz, a celebração eucarística tem suas orientações próprias para cada momento. É o que chamamos de rito; para cada ato se pensa uma gestualiade: andar, estar sentado, ajoelhados, em pé... Pelo que consta nas instruções do Missal (livro utilizado pelo padre na hora ada missa) no momento da profissão de fé não há gesto prescrito pelo ritual. Talvez um padre tenha inventado isso, logo as pessoas acham que deve ser assim. Lembro que na Missa com Crianças se faz muitos gestos para chamar a atenção da criança, sintonizá-la com o que está sendo celebrado. Portanto, nem mão direita nem esquerda. Aliás, Paulo, você falou muito bem quando disse "na hora da profissão de fé", e não disse na hora de rezar o Credo ou rezar a profissão de fé. O Credo não é propriamente uma oração, mas uma confissão da fé da Igreja e de cada cristão. Professamos, confessamos nossa fé. O credo contém os artigos essenciais da fé, no que devemos crer e nada mais. Qualquer acréscimo ou substituição, por mais significativo que seja, desvia o crente da sua relação com Deus. Por isso quando você diz ter fé em alguma coisa (ou alguém) basta recorrer à letra do Credo para ver se está lá. É algo objetivo, puro, pronto, acabado que a Igreja ao longo do tempo foi concebendo e proclamando como verdade de fé.




Envie sua pergunta ao monsenhor Raimundo Possidônio para voz@fundacaonazare.com.br ou para a Fundação Nazaré de Comunicação, na av. Gov. José Malcher, 915, ed. Paulo VI, bairro Nazaré, CEP 66055-260.

Conversa com o meu povo: Dom Alberto Taveira - O Pai trabalha sempre

Jornal Voz de Nazaré - Edição de 08 a 14 de julho de 2011


A sucessão contínua das estações demonstra a sabedoria com que Deus pensou todas as coisas. A variedade de flores e frutos amazônicos o testemunha magnificamente quando percorremos nossos mercados e feiras e encontramos a profusão de remédios naturais, com que gerações se trataram e enfrentaram suas dificuldades de saúde. De nossas plantas se extraem essências usadas em perfumes, nossas florestas atraem pesquisadores de todas as partes do mundo e ainda não descobrimos uma mínima parte daquilo que podem oferecer! Que dizer então de peixes e crustáceos ou dos animais de nossa fauna tão rica que se multiplicam por toda parte! Dentre tantos frutos amazônicos, Deus foi generoso ao criar o açaí! A riqueza de combinações com que é utilizado faz pensar no Pai que não abandonou as gerações que nos precederam, tendo nele um dos alimentos mais ricos!

Ganhamos de presente paisagens maravilhosas, mar e rios, praias deslumbrantes, espaço para o descanso e o lazer! Mais ainda, temos um povo que cruzou mares e rios, percorreu florestas, abriu estradas constituiu famílias e legou às atuais gerações uma cultura da qual somos devedores de santo orgulho e perene gratidão. Temos força para trabalhar e motivos para tomar posse da herança de filhos, deixada pelo Pai do Céu que, no sexto dia da criação, viu que tudo era muito bom! Vale a pena sugerir que este mês de julho, com calor, férias, praias e encontros de pessoas e famílias seja aproveitado com este olhar.

Esta é a compreensão que a fé nos oferece a respeito da vida! Sabemos que há inteligência e paternidade, ternura e carinho por trás de tudo. Podemos repetir confiantes, como o salmista: "Meu auxílio vem do Senhor, que fez o céu e a terra. Não deixará teu pé vacilar, aquele que te guarda não dorme. Não dorme, nem cochila o vigia de Israel. O Senhor é o teu guarda, o Senhor é como sombra que te cobre, e está à tua direita. De dia o sol não te fará mal nem a lua de noite. O Senhor te preservará de todo mal, preservará tua vida. O Senhor vai te proteger quando sais e quando entras, desde agora e para sempre" (S1 120, 2-18). O mundo e os seres humanos não são obra do acaso! O Pai trabalha sempre!

Entretanto, o mistério do mal se faz presente, fazendo com que o olhar extasiado se turve! No grande painel, obra de artista que a fé nos faz contemplar, parece existir defeitos! Muitos podem até dizer que a chuva de Belém não é mais pontual! O antes ou o depois da chuva já não podem ser referência! Algumas pessoas, olhando para as mazelas sociais que nos cercam, ou a violência que ameaça, ficam saudosas do "seu tempo", como se os dias que correm não lhes pertencesse. E o passado é que é bonito. Para outros, se Deus existe, deve estar dormindo ou cansado de cuidar do mundo.

Ao invés disso, o cristão tem consciência da misteriosa presença do mal, mas não esmorece. Reconhece suas faltas pessoais, revê corajosamente suas atitudes diante da natureza e seu relacionamento com as pessoas e projeta o otimismo da fé em tudo o que faz. Sabe que a vida é obra de amor eterno de Deus e se empenha em descobrir os rastros de seus passos de Pai, com os quais deixou na própria natureza os sinais para a vida e a felicidade. Quem assim entende a vida pode ter uma relação pacífica com os acontecimentos que o cercam!

A obra do Pai chegou à plenitude quando enviou seu Filho amado. Nele todas as coisas foram feitas. Em sua morte e ressurreição se encontra a chave para abrir o livro da vida! O Reino que anuncia se parece com o trabalho incansável do Pai semeador, que nunca deixa de espalhar a boa semente (Cf. Mt 13, 1-23)! Sua presença não deixa indiferentes as pessoas, seja qual for sua situação. Nele tudo encontra sentido e rumo.

Como a história da salvação se faz com o mistério da liberdade, cabe-nos responder à iniciativa de Deus. Acolher o bem que Ele mesmo nos oferece, de nossa parte espalhar o bem, ter a paciência do agricultor que espera a safra, saber "negociar", oferecendo e recebendo gestos de delicadeza e amor com os outros. A semeadura de Deus e o generoso trabalho humano produzirão frutos "cem por um".

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Dez novos padres para Belém



No dia 6 de julho, quarta-feira, dez diáconos, sete diocesanos e três da comunidade Sementes do Verbo, se tornarão os novos presbíteros da Igreja em Belém. Às 19 horas, a Catedral Metropolitana de Belém sediará as ordenações sacerdotais. Uma data propícia para render graças a Deus pelas vocações sacerdotais. Primeiro, pelo envio de novos operários à messe.

Depois, pelo 20º aniversário de ordenação episcopal de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém.

O sacramento da Ordem é uma consagração total a Jesus Cristo, que capacita a guiar o povo de Deus rumo à salvação. Os padres, com seu sim a Deus, veem a ser essenciais para a Igreja por serem responsáveis por conduzir a humanidade conforme os desígnios do Pai, através do nome e da pessoa de Cristo. "Tu és sacerdote para sempre segundo a ordem do rei Melquisedec" (Hb 5, 6).

No dia em que se faz memória de Santa Maria Goretti, os novos sacerdotes serão convidados a viver o amor profundo ao Pai, baseados na pureza, no comprometimento com os mandamentos de Deus e doando-se às necessidades espirituais do próximo.


Fonte: http://www.fundacaonazare.com.br/voz/ler.php?id=5107&edicao=526

Time da Paróquia de N. Sra. de Fátima vence o 1º Torneio Vocacional 2011 - Taça Dom Teodoro

No dia 25 de junho de 2011 foi realizado o 1º Torneio Vocacional, organizado pelo Seminário Arquidiocesana Maior São Pio X.O mesmo foi realizado em campos de futebol do Seminário, tendo início as partidas a partir das 7h30, e foi disputado entre times formados nas Paróquias, Comunidades e Oratórios de nossa Arquidiocese. O time campeão do torneiro foi o formado em nossa Paróquia, como o nome de União de N. Sra. de Fátima. Como o torneio foi realizado também em honra de nosso novo bispo auxiliar, Dom Teodoro Mendes Tavares, o mesmo foi o que entregou o troféu aos membros do time.



Jogadores:

Alexandre Medeiros
Admilton Pimentel (japonês)
Júlio Monteiro
Leandro Barbosa
Cristiano da Cruz
Carlos Sardinha
Nonato (Espinha)
Tiago (Tiaguinho)
Saulo
Júnior
Samuel
Quindim
Cristiano (Rabicó)
Luiz Fernando
José Ribamar



Veja mais fotos do referido jogo:










Obs: Houve uma foto também no Jornal Voz de Nazaré, na Edição de 01 a 07 de julho de 2011, na coluna "Nos passos de Dom Teodoro Tavares", página 14.

Nossa Área de Jurisdição Paroquial

Nossa Área de Jurisdição Paroquial

Nosso Sistema

Nosso Sistema

Seja Dizimista de nossa Paróquia!

Seja Dizimista de nossa Paróquia!